Bem vindo(a) ao PsicologiAveiro, o blog do ITAPA.
Artigos principalmente sobre Psicologia Clínica de Orientação Analítica e Psicanálise.

quinta-feira, 19 de julho de 2007

“A Coisa.”

Não são certamente a quantidade de palavras que fundamentam a qualidade de um texto ou de um discurso, tal como não é a quantidade de tempo que determina a sua realidade.
Esta questão do factor “quanto”, funde-se muitas vezes em discursos de fundamentação e/ou desculpabilização da falta de tempo, ou seja, não se faz qualquer “coisa” ou porque o tempo não dá para tudo, ou porque não há sequer tempo.

O tempo real não é igual para todos?
O tempo mental não é o que do tempo real se faz nas nossas cabeças?
Se respondeu sim, então é porque no fundo o tempo é igual para todos… Pelo menos em quantidade é, e em qualidade será o que dele fizer (e o que o mundo permitir)…

Não digo que não há factores externos às pessoas que não contribuem de forma evidente e indissociável para a dimensão temporal de forma invasiva e muitas vezes até obstrutiva e dependente (ex.: guerra), isto é, o nosso tempo depende também de factores que não estão disponíveis ao nosso controle (ou percepção de controlo), mas isso, apesar de tantas vezes preponderante, não pode ser outras tantas vezes factor único de sustentabilidade.

O que de facto acontece é tão simplesmente uma questão de se utilizar esse tempo para outra coisa qualquer, que não essa “coisa” para a qual o tempo parece definitivamente não abundar ou mesmo não chegar.
O interessante no meio disto tudo, centra-se exactamente no conteúdo e significado dessa “coisa” para a qual o tempo não premeia atenção.

Não temos tempo para a “coisa” ou não damos do nosso tempo a “ela”?

Está também indubitavelmente associado a esta ideia, o facto da hierarquia de prioridades, isto é, as outras coisas às quais o tempo foi concedido eram mais importantes do que essa “coisa” para a qual o tempo não foi sequer tempo, seja nesse tempo que se considera o imediato ou naquele outro que perspectiva tempos futuros ou vindouros. Do género de dar primazia ao trabalho para que se possa proporcionar uma vida melhor a nós próprios e àqueles de quem gostamos, agora e no futuro. Mas… e o que é isso de dar uma vida melhor (?), senão apenas uma conceptualização própria disso mesmo! Isso definitivamente não quer dizer que para esses de quem tanto gostamos seja o melhor, ou mesmo seja o mais adequado isso que nós consideramos ser proporcionar uma vida melhor. Mais isso tudo é possível em conjunto, ao mesmo tempo, no mesmo aqui e agora, e na mesma projecção de expectativas de futuro.

O pior é que tantas vezes nem reparamos que de facto tínhamos tempo para a “coisa”, e que nem era preciso muito tempo, para que esse tempo fosse de qualidade. Mais, dar muito tempo pode mesmo significar que se deu menos tempo do que se se tivesse apenas dado, um ou dois minutos de real tempo e atenção concedida…

Dar dois minutos de tempo sem pressa, estar realmente com a “coisa”, olhar realmente para a “coisa”, dar atenção real à “coisa”, para a “coisa” poderá ser suficiente, poderá ser bom, até mesmo ser óptimo, e será sempre mais que tempo nenhum, ou demasiado tempo de nada, ou de muito pouco…

Essa tendência de olhar o futuro e negligenciar o presente acaba tantas vezes por ridicularizar essas teorias de fornecimento de sustentabilidade para um futuro melhor… Ter proporcionado uma vida farta de materialismos e ter negligenciado componentes básicas relacionais, vai em princípio apenas demonstrar mais uma vez que embora ajude, o dinheiro por si só não basta para que se viva bem consigo próprio… É a velha história de ter muito ou apenas algum em bens materiais… do ter e não ser… de que serve (?) se isso não serve para que se possa ter relacionamentos verdadeiros e minimamente adequados àquilo que muitos descrevem como o contínuo de felicidade… Se houve deficiências e distorções relacionais afectivas no passado que nos serviram de vínculo de aprendizagem ou de exemplo da forma como nos devemos relacionar uns com os outros, então é quase certo que nós próprios tenhamos no futuro essas mesmas dificuldades relacionais, e humano com dificuldades relacionais é tantas vezes humano perdido… na solidão de si mesmo…

E são tantas as vezes que damos atenção à “coisa” só nas nossas cabeças…
Uma atenção indirecta e ineficaz para a própria “coisa”…
Se a “coisa” não sai da nossa cabeça, porque não concretizar a “coisa” para que a “coisa” perceba, para que “a coisa sinta”, que o nosso tempo é também do tempo da “coisa”…

Essa “coisa” são muitas vezes pessoas, e tantas vezes “nossos” filhos…

“Não deixe a coisa por fazer…”
(não vá a coisa “desaparecer”)

Crónicas da Mente Esquecida, por João Castanheira
in Jornal de Albergaria
, 17/07/2007

2 comentários:

Camiseta Personalizada disse...

Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Se você quiser linkar meu blog no seu eu ficaria agradecido, até mais e sucesso.(If you speak English can see the version in English of the Camiseta Personalizada.If he will be possible add my blog in your blogroll I thankful, bye friend).

Anónimo disse...

Gostei, particularmente, de ler esta "crónica da mente esquecida"!Deixo-lhe as minhas reflexões...
Como utilizar o tempo real com a melhor qualidade do nosso universo psicológico significativo?
Se o tempo é efémero... como não estar em permanente angústia face ao eminente e irreversível desaparecimento temporal?