Bem vindo(a) ao PsicologiAveiro, o blog do ITAPA.
Artigos principalmente sobre Psicologia Clínica de Orientação Analítica e Psicanálise.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

“Ficar pior, para poder melhorar…”



Quando se procura um profissional de saúde mental com objectivos fundamentados para a resolução de questões de foro patológico, isso significa normalmente que a pessoa espera melhorar a sua condição de doença, o comummente “ficar bom”.

Entende-se na maior parte dos casos que assim seja, pois se o objectivo fosse ficar (ainda) pior, algo de (ainda mais) “estranho” se passaria. No entanto, há casos em que para atingir o objectivo de melhorar, ou mesmo de “ficar bom”, é necessário e mesmo imprescindível que se piore primeiro.

É necessário explicar que este “ficar pior” tem mais a ver com a percepção que o próprio paciente tem do desenrolar dos (auto) acontecimentos (mentais), do que da condição semi-objectiva que esse apresenta, ou seja, o paciente sente-se de facto pior, mas esse será um dos passos do caminho que precisa de dar, para que o ficar melhor posterior seja realmente verdadeiro, sustentável e duradouro.

Vejamos o seguinte exemplo. Um paciente cuja perturbação tem como um dos principais factores etiológicos o “evitamento mental presente” de um acontecimento passado altamente doloroso. Doloroso ao ponto, que a maneira que esta pessoa encontrou para lidar com sofrimento envolto a esse acontecimento, foi dissociar esse acontecimento da sua realidade mental, isto é, na sua psique (consciente) é (quase) como se nada tivesse acontecido, como se tivesse apagado ou transformado essa realidade numa muito mais suportável e menos custosa de admitir que fizesse parte da sua vida. Este paciente ao procurar ajuda de um profissional de saúde mental, vai necessariamente ter que aumentar o seu nível de sofrimento (que já era absolutamente gigantesco), pois a temática que tanto “quer” evitar será potencialmente trazida novamente à consciência afim de ser reinterpretada. Sem essa análise do passado não será possível melhorar realmente, e, com essa análise do passado irá certamente percepcionar-se pior do que o que estava antes de procurar ajuda, pois o reencontro com a origem da dor provoca uma dor maior do que a que sentia antes de procurar ajuda profissional. Essa dor mais forte, por sua vez tem tendência a desregular diversas componentes mentais e funcionais da vida da pessoa, o que ajudará e muito essa pessoa a perceber que “está pior”. No entanto, o facto de vivênciar uma dor que já deveria ter sentido, atribuindo-lhe agora um significado combinado ao acontecimento que lhe deu (parte) da origem, faz com que a dor que sentia e que levou essa pessoa a procurar ajuda desapareça, pois essa dor é agora interpretada de forma adequada e congruente com a realidade vivida no passado, deixando essa realidade de estar indevidamente transformada e dissociada.

É claro que este é um exemplo que pela forma como está exposto diminui a complexidade do processo que é a necessidade de “pseudo ficar pior, para ficar melhor realmente”. Basta ver que, é possível fazer o contrário com muita facilidade, “ficar melhor, para ficar ainda pior depois”. Para isso bastaria que se diminuíssem as actividades sintomáticas iniciais sem que se trabalhasse a origem da problemática, isto é, se apenas se aniquilassem os sintomas. Ao fazer-se isso, primeiro a pessoa iria ter a percepção de melhoria, pois sentir-se-ia melhor, mas passado “algum” tempo seria inevitável que a dor voltasse, e tendencialmente até mais forte, pois a origem, a fonte da dor não teria sido trabalhada para que não mais a produzisse.

Quero também com isto dizer que é necessário perceber a dimensão real do que são realmente melhorias e do que é realmente ficar pior. O objectivo do terapeuta não pode (ou não deve) passar por “agradar” no imediato o paciente (e/ou as pessoas do seu mundo) com falsas melhorias e erradas expectativas.

Isto não quer também dizer que não se possa dar devidamente primazia à estabilização sintomática (vide, Castanheira, J. (2005), “A Primazia da Estabilização.” in Jornal de Albergaria de 14/12/2005) para que se possa mais tarde, com mais segurança e estabilidade do paciente (e menor risco de “crise inadequadamente desreguladora” por introdução de temas “delicados”), analisar adequadamente o passado perturbador e perturbante do paciente.


Crónicas da Mente Esquecida, por João Castanheira
in Jornal de Albergaria, 29/07/2008

2 comentários:

Anónimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=hdRjOWgFN8g

See this, Please.
:x

Sónia R. R. Henriques disse...

Bem escrito ( :